15/03/18 por Lina Nakata

Benchmarking costuma ser um termo frequentemente utilizado no mundo corporativo, mas de onde veio e qual é a sua definição? Essa denominação surgiu na década de 1970, introduzida pela XEROX. A American Society for Quality (ASQ) define benchmarking como o processo de medição e comparação contínua de uma organização em relação às organizações líderes em determinado contexto, a fim de obter informação que ajude a empreender ações destinadas à melhoria do seu desempenho.

Felizmente, o Great Place to Work é um super especialista em benchmarking! O GPTW tem aplicado pesquisas nos últimos 25 anos, e anualmente coleta dados de mais de 10 mil empresas e 12 milhões de funcionários. Com esse volume de informações, é possível fornecermos benchmark dos mais diversos estratos: diferentes regiões, tipos de empresas e, claro, ramos de atividade, contemplando setores e sub-setores.

E por que é importante fazer uma análise de benchmarking? Porque “tudo é relativo”, como dizia Albert Einstein. Devemos, sim, comparar todo e qualquer resultado com alguma régua relevante. Você é bom quando é melhor que os outros, e ruim quando é pior que os outros!

Exemplificando: uma organização é considerada boa para trabalhar quando atinge pelo menos uma nota de 70 para o seu Trust Index (índice de confiança), recebendo a certificação GPTW por 12 meses. Então, se a média de alguma questão for 70, isto está adequado? Depende. A média das 150 melhores empresas foi de 86 em 2017, então para estar entre as premiadas, a barra está mais para cima.

Ainda mais: uma empresa que apresenta a afirmativa “Acredito que a quantia que recebo como participação nos resultados da empresa é justa” em 70 é ruim? Não, pois esta é a média das 150 melhores do país. E se a nota for de 90 para “Este é um lugar fisicamente seguro para trabalhar”? Nem tanto, pois a média das premiadas é de 96.

Ser uma organização certificada ou até estar entre as melhores empresas para trabalhar é claramente positivo. Porém, os aspectos do ambiente de trabalho devem ser analisados por assunto, considerando que a organização vai bem ou mal dependendo da comparação que é feita. Fazer benchmarking é essencial. O Great Place to Work atua com essa ferramenta, é só escolher o seu benchmark e atuar de forma estratégica.

Conteúdos relacionados: